Dreams are renewable. No matter what our age or condition, there are still untapped possibilities within us and new beauty waiting to be born.

-Dale Turner-

terça-feira, 30 de março de 2010

Évasion


   Deitada naquela cama, ela parecia uma garotinha agarrada aos muitos travesseiros. Ela os usava pra preencher os espaços enormes deixados por um outro corpo. Os espaços que tornavam aquela cama grande demais para que se deitasse sozinha.
  Os olhos castanhos fora de foco pareciam ver algum lugar no passado. Aquele numa sexta feira, sol poente, a janela do carro aberta, cabelos castanhos brincando no vento, um sorriso lindo e uma canção qualquer.
   Ás vezes pensa que deixou de ser tudo o que desejava, que não sentia dor ou saudade porque sua alma não estava mais com ela havia um tempo. Tinha ido pra longe, devolver todos aqueles sentimentos. Pra ela, que sempre foi coração, era estranho não sentir nada, mas talvez tivesse restado a falta pra acompanhar e fosse a voz gritando em seus ouvidos que a mulher que ela ama não iria voltar.
  Aos poucos, se convencia de que a porta estava mesmo fechada e a voz do outro lado do telefone nunca fosse a chamar de volta. Em alguns momentos, apertava os olhos e os travesseiros e se perguntava o porque de não se levantar e tentar trazer outra vez pra casa tudo aquilo que sempre foi tão bom, aqueceu e a levou pra tão longe... De onde ela jamais soube voltar. A resposta que vinha de sua própria boca era sempre a mesma: “talvez eu não valha a pena...”. E nessas horas ela chorava.
   As feridas sempre se fecham no final das contas, mas não era isso que queria. Talvez porque soubesse que não haveria ninguém pra ocupar aquele lugar. E porque com aquela mulher tivesse sentido tantas coisas que o amor promete, pela primeira vez. Talvez porque ela ainda acreditasse que o mundo pode girar e que assim os dois corações pudessem voltar a bater no mesmo compasso. Ou por covardia mesmo.
  A única certeza que carregava era a de que uma hora ela ia ter que sair daquele quarto, encarando a porta ou fugindo pela janela.

4 comentários:

joyce domingos disse...

...........(silêncio)

já me senti assim,como essa menina....

esta sensação de ''não querer'' que a ferida feche me é muito familiar....e posso dizer que esta guria do texto não quer sofrer....ela não é masoquista não!

esta sensação vem pq ela ama....e quem ama,mesmo sofrendo sempre tem esperanças....afinal,o mundo não pára de girar....e o amanhã ngm sabe....

eu a entendo tanto...perfeitamente....

(mais silêncio....o texto mexeu comigo)
...
...
...

com toda a certeza o mais difícil é encarar a porta...sei disso por tantas vezes ter preferido a janela.....
...
....
....

eu adorei as modificações no texto.....legal que a essência permaneceu a mesma.....

te adoooro....

bj!

Jão disse...

é dificil aceitar que acabou, que não vai mais acontecer os passeios de fim de tarde, as conversas no telefone, a troca de olhares. Mais é um pouco egoísta de nossa parte querer trazer o outro devolta quando ele quis partir. É fato tbm que as feridas se fecham, o nosso amigo tempo se encarrega disso. E sendo pela porta ou pela janela essa guria deve sair e viver, e rir com os amigos, e em uma outra esqueina qualquer encontar com o amor que estava perdido...

Filipe disse...

concordo com o Jão!! As feridas se fecham e com o tempo tudo se cura. Apesar de ser dificil ela deveria sair por ai tomar umas cervejas e curtir a vida... uhauahuah
Achei bem legal esse post...
x:)

daniborguez disse...

acho que você está errada quanto ao 'não valer a pena'
eu discordo totalmente de você.

Postar um comentário